em 15 junho 2015 11:21 am 0

Satisfação de estar amparado

Paraense, Denis dos Santos Ferreira, de 48 anos, veio para Goiás em busca do sonho de seguir uma carreira musical e de melhores opções de trabalho. Ele mora em Goiânia há 20 anos e há 15 trabalha como porteiro, mas paralelamente também faz apresentações como músico sempre que tem oportunidade.

Atualmente ele possui dois empregos em portaria no período diurno. Um, que exerce já há três anos, é em uma empresa de transporte e o outro, no qual está há seis meses, é no Edifício Porto das Antilhas, no Setor Oeste. Denis explica que prefere o trabalho em prédios, pois apesar de ambos serem de muita responsabilidade, na empresa o fluxo de entrada e saída de veículos é maior e é preciso fazer vistorias, sendo assim mais corrido.

De acordo com Denis, o lado positivo de ser porteiro é que o serviço é seguro e não se corre grandes riscos, pelo menos se comparado com outros, como de motoqueiros, segundo o exemplo que ele mesmo citou. Já a parte ruim é em razão de ser um trabalho muito quieto, principalmente quando exercido em condomínios.

Há um mês ele se associou ao Sindicato dos Empregados em Edifícios de Goiânia (SEEG) através do novo trabalho que está sendo desenvolvido, que é com as visitas das representantes. Ideia que Denis classifica como excelente e se mostra muito contente. “Estou feliz por ter me associado ao sindicato e mais feliz ainda de saber das assistências que ele nos dá. Porque antes não existia isso, na hora da dificuldade não tinha a quem chamar”.

Sobre as visitas Denis conta que gostou muito e avalia como importante, pois antigamente elas não existiam, era preciso ir ao sindicato para se associar e ficava só nisso. “Hoje o pessoal vem até a gente, pergunta como está o andamento, se precisa de alguma ajuda”, explica ele, que de tão satisfeito diz que está fazendo propaganda para todos os seus colegas de profissão.

O porteiro já tinha ouvido falar do SEEG, mas não possuía esclarecimento de como tudo funcionava. Ele relata ainda que os colegas sempre reclamavam de falta de apoio da gestão anterior, que pagavam e não conseguiam retorno. Por meio da visita que recebeu Denis soube dos cursos, tratamentos e benefícios que são oferecidos, além das maneiras de entrar em contato e da recente reforma que foi feita na sede do sindicato.

E com tamanha satisfação, Denis deixou um recado para o SEEG e para os colegas da categoria. “É para continuar com esse trabalho de rua, porque têm muitos prédios e cada vez estão levantando mais. A tendência é crescer, é unir forças. Porque aí aumenta a arrecadação lá (no sindicato), ele cresce e pode nos dar mais apoio.”

Denis na portaria do Ed. Solar das Antilhas

 

 

Arquivado em Entrevistas

Comente!